As melhores notícias da nossa região!

Enfermeiro e cunhado de Marielly irão a júri popular onze anos após sua morte

Onze anos após o crime, Hugleice de Souza e o enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes serão levados a júri popular pela morte de Marielly Barbosa Rodrigues, 19 anos, cunhada de Hugleice, que morreu durante aborto clandestino, em maio de 2011, em Sidrolândia.

O julgamento foi marcado para o dia 15 de setembro deste ano, no Tribunal do Júri da comarca de Sidrolândia.

Hugleice de Souza e o enfermeiro responderão por provocar aborto com o consentimento da gestante, mediante fraude, grave ameaça ou violência, com a qualificadora de resultar na morte da gestante, e por ocultação de cadáver.

Hugleice está preso no Mato Grosso, onde foi condenado em 2020 a 12 anos de prisão por tentar matar a esposa, irmã de Marielly, no estado vizinho. Já Jodimar responderá em liberdade.

O caso ocorreu em maio de 2011. Segundo denúncia do Ministério Público, Hugleice era casado com a irmã de Marielly, mas manteve relacionamento sexual com a cunhada, que originou a gravidez. 

De comum acordo, ambos teriam decidido pelo aborto e Hugleice levou a vítima de Campo Grande até a casa de Jodimar, em Sidrolândia, para quem pagou R$ 500 para que o aborto clandestino fosse feito.

Durante o procedimento, a jovem passou mal e morreu por complicações do aborto, no dia 21 de maio de 2011. 

Após o enfermeiro contar sobre a morte, ele e Hugleice colocaram o corpo de Marielly em uma caminhonete e o deixaram em um matagal.

O desaparecimento da jovem mobilizou parentes, amigos, vizinhos, políticos e a opinião pública para encontrar a filha. 

O corpo da universitária foi encontrado em 11 de junho em um canavial, localizado em uma estrada vicinal de Sidrolândia, em estado de decomposição.

Talvez te interessem:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© Copyright Meu Portal de Notícias 2022. Todos os direitos reservados.