Cidades

Escolas de samba de Campo Grande já se preparam para o Carnaval de 2022

Os primeiros batuques carnavalescos começam a ecoar em Campo Grande, após um período difícil em que a pandemia do coronavírus prejudicou a realização de eventos, principalmente do Carnaval.

Com o avanço da vacinação e a diminuição dos casos, a Liga das Escolas de Samba de Campo Grande (Lienca) se prepara para movimentar o cenário no ano que vem.

“Já tivemos uma conversa e uma reunião com os secretários de Cultura do Estado e do município sobre o Carnaval e o desfile das escolas de samba de 2022”, explica o presidente da Lienca, Alan Catharinelli.

O otimismo também aparece no retorno das atividades realizadas nas escolas de samba, com cursos e eventos. “Com a flexibilização por parte do Estado e da prefeitura, nós estamos aos poucos voltando às atividades nas escolas de samba, estamos esperançosos e os foliões estão perguntando”, ressalta.

Ainda segundo o presidente, algumas escolas já iniciaram a preparação. “Algumas escolas vão permanecer com os enredos de 2021 e outras estão mudando”, pontua. O Carnaval de Campo Grande tem a participação de sete agremiações adultas e uma mirim.

Oficinas

Como a cultura foi uma das áreas mais atingidas pela pandemia de Covid-19, a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul promove o projeto MS Meu Samba, que tem o objetivo de apoiar a Liga das Escolas de Samba e realizar o repasse financeiro voluntário para custear a realização de oficinas para as escolas de sambas adultas e mirim.

O valor que a Fundação de Cultura está repassando para as escolas de samba, para a implementação do projeto, é de R$ 250 mil.

“Isso é uma parceria nossa, a Liga das Escolas de Samba está fazendo parte do projeto emergencial que propõe a execução de oficinas de capacitação dentro das escolas de samba. Estamos conversando sobre esse projeto há muito tempo, tentando com o governo do Estado a viabilização desse auxílio”, frisa Alan.

Segundo a Fundação de Cultura de MS, este segmento artístico de Campo Grande abarca mais de três mil carnavalescos, entre bateristas, aderecistas, figurinistas, costureiros, mestres de bateria e brincantes de todas as idades, e muitos passaram por problemas financeiros por conta do cancelamento do evento.

“Para não ficarmos totalmente parados, organizamos essas oficinas que transferem os saberes artísticos a outras pessoas. Estamos capacitando as nossas comunidades com oficinas de passistas, de samba-enredo, de diretor de carnaval, de harmonia”, cita Alan.

Segundo o presidente, é importante ressaltar que, além da importância cultural, o Carnaval movimenta investimentos para toda a população.

“Não podemos deixar de ressaltar o quão importante ele é para o setor financeiro, proporciona muitos empregos, tanto diretos quanto indiretamente, com as inúmeras contratações e compras que a gente tem que realizar. Além de ser folia, é emprego”, pontua.

Agenda

Entre as oficinas que estão com inscrições abertas está a de harmonia, que ensina como uma equipe realiza a condução de massas em uma agremiação carnavalesca. As aulas serão realizadas nos dias 27, 28 e 29 de agosto, das 18h às 21h, na Rua Flor do Lácio, nº 55, Bairro Silvia Regina.

Também começa neste fim de semana a oficina de passista, realizada nos dias 29 de agosto e 5 de setembro, das 16h às 19h, na Rua Sodré, nº 194, Vila Carvalho.

Seguindo com as aulas, nos dias 11 e18 de setembro, das 17h às 21h, ocorre a oficina de bateria, na Avenida Florestal, nº 847, Bairro Coophatrabalho.

Já no dia 3 de outubro será realizada a Oficina Baianas e Baianinhas na Concepção Mirim e do ECA. As aulas acontecem das 10h às 13h, na Rua dos Ferroviários, nº 397, Bairro Cabreúva.

“É importante ressaltar que também realizamos oficinas por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo [Sectur], que foram outra forma de auxílio”, conclui Alan.

Serviço – Mais informações estão disponíveis no perfil do Instagram.

Hits: 5

Redação Ms de Fato

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário


”Play”

Enviar Mensagem
Posso ajudar?
Olá
Tudo Bem?